terça-feira, 21 de maio de 2019

POR AMOR

Na Pancada do
Coração,
se Segue a
Vida.
No Ritmo da
Emoção,
se Busca uma
Saída.
Nesse Mundo
Moderno,
Donde tudo
Muda.
Vai do Céu ao
Inferno,
Aquele que não
se Cuida.
Nesse Mundo é
Mesmo Assim,
não se vai na
Contra Mão.
O que é Bom
para Mim,
Também é para
o Irmão.
Quando se luta
pelo Bem,
o Mundo fica
Melhor.
Compartilha o
que se Tem,
se faz tudo por
Amor.

Raimundo Sucupira

CURADOR DE ARAQUE

Caro Amigo,Sé não há
Pois,Abismo Entre duas
Épocas,Entre o Passado
e o Presente,que não
Transponha a nossa
Mente,não pode haver
o Esquecimento da
nossa Parte,Haveremos
de Preservar Sempre as
nossas Lembranças.
Num desse Momentos
em que paro para dar
umas Folhadas nas
Paginas da Mente,não
pude deixar de Lembrar
de uma Passagem muito
Engraçada que nos
Aconteceu lá pelo Idos
dos Anos 80.
Fizemos um Catado,e
desse Catado Montamos
um Time para Jogar no
Brejo da Boquira.
No dia do Jogo,Fretamos
um Caminhão e partimos
Rumo à Boquira,nessa
Época a Estrada era de
Terra,não Tinha o
Asfalto.
Depois de Comer muita
Poeira,Chegamos na
Boquira,fomos direto
para o Brejo,foi um Jogo
Duro,o Resultado foi 1x1,
o nosso Gol foi Marcado
pelo Jogador Chico de seu
Mino.
Depois do Jogo fomos
Informado que Quem iria
nos Receber era seu Dú,
o Motorista da Prefeitura
da Boquira.
Lá fomo nós,no meio do
Caminho numa Rua um
pouco Escura o Motorista
parou o Caminhão para
Alguns Tirar a Água do
Joelho,ou Melhor,Mija.
Vinha Vindo ao Longe
Algumas Pessoas,nesse
Instante o Carlito pulou
do Caminhão que Estava
com os Fários Aceso e
Começo a Pular e Gritar,
Subindo um Barranco e
Descendo,Gritando,Saravá
Meu Pai!Saravá Meu Pai!
Tire esse Espirito Ruim
desse Pobre!Saravá Meu
Pai!Saravá!as Pessoas
ficaram de Longe vendo
Aquela Cena.
Tõe de Deiginha falou
deixe de Palhaçada
Carlito,vamos Embora!
o Carlito Subiu no
Caminhão e seguimos
para a Casa do seu Dú.
Chegamos lá fomos Bem
Recebido,a Esposa do seu
Dú foi logo dizendo,tome
logo o Banho que vou
Servir o Jantar!depois do
Banho Todos à Mesa,um
Verdadeiro Banquete,foi
ai que veio a Surpresa,um
Enorme Barulho chamou
nos Atenção,a Esposa do
seu Dú Apareceu muito
Assustada e Indagou,
Quem de Vocês é o
Curador!pois tem uma
Enorme Multidão lá Fora
Querendo Consultar com
o Curador!Tratamos logo
de Desfazer o mal
Entendido,não Dona!não
tem nenhum Curador,foi
tudo uma Brincadeira!o
Tõe de Deiginha virou
para o Carlito e dizendo,
Tá vendo no que deu a sua
Palhaçada!deu um muito
Trabalho para Dispensar
a Multidão.
A Resenha foi Grande
durante o Jantar,Carlito
Ria o Tempo Todo.Dado
que,ao Relembrar dessas
Passagens Quero tão
Somente Manter Vivas as
Lembranças de um Tempo
em que não se Precisava de
muito para ser Feliz....

Raimundo Sucupira

sábado, 18 de maio de 2019

CRENÇA

A Crença de um
Povo,
não pode ser
Mudada.
Entre o Velho e
o Novo,
ter que ser
Respeitado.
Quem Preserva
a Memoria,
não Vive Atoa.
Para os Seus a
Vitoria,
que Engrandece
a Pessoa.
Sé não Preserva
a Cultura,
a coisa Desanda.
A Morte será
Prematura,
na Nação não se
Manda.
Que fique Bem
Claro,
para que possa
Entender.
É preciso muito
Amparo,
para tudo isso
Crescer.

Raimundo Sucupira

FUTURO

Caro Amigo,Nada Melhor
que Viver Bem o Presente
para Poder Preparar o
Futuro,Aquele Cuja a
Displicência é Visível no
Presente,seu Futuro será
Incerto,pois a Trajetória
não foi Bem Traçada.
Quanto Mais Largas
Vastidões Abrange o
Saber,Tanto mais Chance
de ser Bem Sucedido os
Seus Cultores.
Cada Individuo Nasce com
as suas Qualidades,Basta
um só Incentivo e lá Estão
Elas,às Vezes o que Acaba
por Lhes Faltar são as
Oportunidades,no Entanto,
Quando Elas Aparecem é
Preciso que as Aproveite.
Eis o Laboro como o
Sustento para o Homem,
para Criar os Seus Filhos
e Filhas,para Transformar
as Nações,pois uma
Nação Cujo os
Empreendimentos são
Frágeis,Esta Acabará por
não Sustentar se Sobre as
Próprias Pernas,Estará
Condenada ao Fracasso.
Poderíamos dizer que o
Homem é de Lastimar
por não Saber Certas
Coisas,no Entanto,se
Esforçar-se ,Aprende,se
Lutar Consegue,Haverá
Sempre Algo à Frente
para ser Conquistado.
Eis Agora Pessoas que,
Incontestavelmente são
Promissora,Refiro-me aos
que Preparam com
Serenidade o seu Caminho,
em tão Breve cada um
Acabar a sua Tarefa.
Lembrando do que disse
um Certo Intelecto numa
Certa Ocasião(Estudante
Sou,Nada Mais.Mau
Sabedor,Pouco Mais Sei
do que Saber Estudar,Saber
como se Estudar,é Saber
que Tenho Estudado)
Diante de tudo isso vos
digo,Estude,se Prepare,pois
o Estudo é a vossa
Herança,a vossa
Liberdade,o vosso Futuro.
Dado que,não há Grande
Diferença Entre Esses e
os que,por Confiança no
seu Laboro,são Sempre
Estabelecidos pelas Mais
Doces Esperanças em dias
Melhores,Afinal,é o Futuro
que Esperamos para nós e
os Nossos Filhos e Netos...

Raimundo Sucupira

terça-feira, 14 de maio de 2019

VENTRE DA TERRA

O Grão que se
Colhe,
do Ventre da
Terra.
A Água que se
Recolhe,
do Riacho da
Serra.
O Homem que
Lida,
Em meio ao
Sertão.
Não muda a
Vida,
pois Ama esse
Chão.
No Sertão é
Assim,
não pode ser
Diferente.
A Labuta não
tem Fim,
é de Deus o
Presente.
Não deixo esse
Chão,
por nada desse
Mundo.
Amo meu
Sertão,
Esse Amor é
Profundo.

Raimundo Sucupira

TALO NA AREIA

Caro Amigo,Vêem-se,às
Vezes, Velhos Decrépitos
Demostrar em tais
Eventos o Vigor de um
Jovem,a Gastar Quantias
Imensa para se Sustentar,
Expor se com Imenso
Ardor Empenhar se sem
Nenhum Escrúpulo tão
Somente para Sustentar
Esses Preceitos,ou seja,
Negar a Origem.
Dia desse ao Ir à Feira
fazer as Compras,ao
Passar em Frente a uma
Banca Donde se Vendia
Melancia,ao ver aquela
Cena não Pude deixar de
Voltar no Tempo.
Lembrei-me Bem,em
meio à Roça,as
Melancias Enorme,meu
Pai as Cobria com
Alguns Ramos para não
pegar Sol.
Quando Elas Estava no
Ponto,porem,com o
Talo Ainda Verde,Era
Hora de Lavar para o
Deposito.
Primeiro meu Pai fazia
Algo Muito Interessante,
Pagava Areia,Colocava
num Canto do Dito
Deposito.Só depois que
a Areia tivesse no seu
Devido Lugar,que Ele
Ia à Roça Buscar as
Melancias,uma Coisas
muito Importante,os
Talos das Melancias
Tinha que Estar Verde.
Ai Em Seguida meu Pai
Colocava as Melancias
em Cima da Areia com
os Talos Enterrado,
Depois as Cobria com
Alguns Sacos,a Partir
desse Momento não se
Tocava.
Sei que Pouca Gente vai
Acreditar,porem,é a mais
Pura Verdade,Essas
Melancias Ficava lá por
Vários Meses.
Passado Vários Meses,
meu Pai ia lá no
Deposito Apanhava as
Melancias,Quando
Partia Estava Prefeita,
só o Miolo que
Murchava um Pouco,o
Restante Permanecia
em Perfeito Estado.Não
sei se Este Método inda
é Usado nos dias de
Hoje,Provavelmente
não,pois com a
Modernidade,a
Facilidade que se tem
nos dias de Hoje isso já
não são Necessário.O
Fato é que,para Quem
Viveu nessa Época,tudo
isso não sai da
Lembrança,pois são
Coisas que nos
Aconteceu e que
Fazemos Questão de
Preservar Essas
Lembranças.
Nesse Momento é que
vemos o Quanto as
Coisas ficaram
Diferente,já não são
mais como
Antigamente,Apesar do
Estranhamento, a
Modernidade nos Trás
um Certo Conforto.
Dado que,mesmo
Diante do Conforto,
dessa Modernidade,as
Coisas Boas que já nos
Aconteceu no Passado
Continuam a nos
Fazer Bem,pois essas
Lembranças nos trás
um Certo Alento
Nesses Momentos de
Conturbação...

Raimundo Sucupira

sábado, 11 de maio de 2019

LAMBANÇA

Esse Bando de
Corvo,
que a Moral
Descarta.
No lombo do
Povo,
Desce-lhes a
Chibata.
Mais uma Vez
Mentiram,
Enganaram o
Povo.
Na Rampa
Subiram,
Estão no Poder
de Novo.
Não foi pela
Força,
Foi pela
Esperteza.
Quem Quiser
que Ouça,
Lá vem a
Tristeza.
Depois dessa
Lambança,
que o Povo
Faz.
Adeus para a
Esperança,
Até uma outra
Vez.

Raimundo Sucupira
 
Contador de Visitas Para Blogs