quarta-feira, 18 de julho de 2018

MENTIRA

Numa Mente
Destorcida,
se pode
Guardar.
Uma Historia
Esquecida,
que ninguém
Quer Contar.
Essa Mente
Perigosa,
é nociva feito
Sal.
Uma Comida
Saborosa,
que pode ser
Fatal.
Sé o Cabra
Acreditar,
na Doçura desse
Mel.
Ele pode
Acabar,
Amargando
feito Fel.
Como diz o
Ditado,
a Mentira tem
perna Curta.
Uma vez
Contaminado,
sua Vida pouco
Custa.

Raimundo Sucupira

XODÓ

Caro Amigo,Dia desse ao
Passar por uma Rua,vi um
Jovem Casal a Conversar
ao Pé do Ouvido,ao ver
Aquela Cena,Veio-me a
Mente uma Historia
Engraçada.
A Historia de Pequena de
Melinda,Mulata,Furnida,quis
o Destino que ficasse
Solteira,como dizia os
Antigos(Pro Caridó)Não
se Casou.
Como diz as Mas Línguas
ficou para Titia,ficou com
a Raspa da Tacho.
Como toda Cidade
Pequena,as Pessoas tem
Sempre um Apelido que
não Gosta de ser chamado,
a Pequena tinha um(Se
Alguém a chamasse de
Moça Velha Comia Sal na
Mão.
A Meninada Sabia disso,
ficava todos Escondido,no
meio das Moitas,Quando
a Pequena Vinha Vindo na
Rua com o Balaio de
Maxixe Sobre a Cabeça
para Vender na Rua.
Todos Gritavam(Tira pó,e
Bota Pó,Moça Velha não
tem Xodó)Ao Ouvir essa
Cantiga,a Pequena Virava
uma Fera.
Colocava o Balaio ao
Chão,Saia Correndo atrás
de Nós,pega da li,pega da
colá,ao Final,não pegava
ninguém.
Minha Mãe era muito
Amiga da Dita Cuja,ao
Saber do Ocorrido,Mamãe
Ralhava com a Gente,ao
Final,ficava tudo Bem,
Afinal,tudo não passava
de uma Brincadeira de
Criança.
Hoje vemos com Tristeza
que as Crianças já não se
Comporta como as de
Antigamente.
Vejo com uma Certa
Preocupação que Estes ja
não nos Trata com o
mesmo Respeito.
Quase não Somos notado
por essa nova Geração,o
que Antes era puro
Apreço,Hoje não passa de
Mero Detalhe.
Alem de ter que conviver
com o Fantasma da Idade,
temos que Enfrentar
Também a Solidão.
O Tempo foi Passando,
essas Figuras foram
Saindo de Cena,as
Crianças ao longo dos
Anos Foram Crescendo,
tudo foi se Acabando,
Restando tão Somente as
Lembranças de um Tempo
que não Volta Mais.
Dado que,ao Folhar as
Paginas da Mente,fica
Difícil deixar de lembrar
de uma Época em que
com Muito Pouco se era
Feliz...

Raimundo Sucupira

domingo, 15 de julho de 2018

FARTURA

A Chuva que
Cai,
Molhando o
Chão.
A Rama que
Sai,
Embelezando
o Sertão.
A Fartura que
Chega,
Tranquilizando
o Lar.
Quem nele se
Apega,
Nada lhes
Faltará.
Com a Comida
na Mesa,
se Preserva a
Raiz.
Não Existe
Tristeza,
o Homem é
Feliz.
Um Lar onde
a Paz,
Reina com
Sabedoria,
A Harmonia
nos Trás,
Tão Somente a
Alegria.


Raimundo Sucupira

O BEM ANTES DE TUDO

Caro Amigo,Ainda Longe de
Sermos Prefeitos,pois,a
Perfeição é Algo Ainda
Distante,Somos Acometido
por uma Onda de
Fisiologismo,Qualquer coisa
que Acontece,Antes de saber
o que se passa,já Apontamos
o Dedo.
Os Defeitos Estão Sempre
com o Semelhante,nunca
Conosco,Lembrando de um
Certo Galileu(Estamos
Sempre Prontos para Apontar
o Cisco no Olho dos Outros,
no Entanto,nunca
Enxergamos a Trave no
Próprio Olho)o que vem
Acontecendo nos Últimos
Tempos nos Preocupa,Essa
Onda de Lixamento Moral,
Físico e Espiritual.
Reciprocamente,a Vida nos
Ensina que as Refinadas e
Cruciantes Torturas foram
Vitoriosamente Suportadas
com a Ajuda Deste
Pensamento,Amor ao
Próximo.
Observa-se,Contudo,que
Quando Praticamos essa
Ventura,longe ficamos da
Avareza,do Egoismo,da
Injustiça,do Abominável
pre Julgamento.
Esta é a Razão por que foi
Necessário a fim de poder,
no Minimo,Defender esse
Conceito,pois Trata-se do
nosso Semelhante.
Eis aqui Outro Testemunho
de Suma Importância,
Quando Jesus,no Madeiro,
Orando pelos seus Algozes,
dizia(Perdoa-lhes meu Pai,
pois eles não Sabem o que
Faz)Diante de tudo isso,se o
Próprio Enviado,o Justo,foi
capaz de Perdoar seus
Algozes,por que nós não
somos capaz de Perdoar o
nosso Semelhante?Mas,sem
que Eu Entre em
Pormenores,com o Tempo
Aprendi,PECADO é Opor
se ao PERDÃO.
Dado que,Antes de sair por
ai Julgando e Condenando
os Outros,é Bom que se
Saiba Antes o que se Passa
com Eles,muitas vezes se
Salva uma VIDA Apenas
com uma Palavra Amiga.
Ademais,como um Cidadão
que Sempre Lutou pela Paz,
o Amor e o Bem,Espero que
os Demais Também faça o
mesmo,Afinal,só o Bem é
que Salva...


Raimundo Sucupira

quinta-feira, 12 de julho de 2018

GRATIDÃO

Calça de Algodão
Riscado,
Camisa feita para
Festa.
Botina de Coro
Curado,
Chapéu Quebrado
na Testa.
Um Sertanejo de
Verdade,
não precisa de
Bolodório.
Nem tão pouco
de Vaidade,
passa longe do
Escritório.
Basta um Boa
Sanfona,
um Triangulo e o
Pandeiro.
Que tudo
Funciona,
não se liga para
o Dinheiro.
Este é o nosso
Sertão,
Onde todos nós
Vivemos.
Amor e Gratidão,
isso é tudo que
Queremos.

Raimundo Sucupira

LARANJA FLOR

Caro Amigo,Cabe a todos
nós Quando Sonhamos,
Dispor com Vigor o
Espírito,Proporcionar-lhe
o Delírio,que nos faz
Desfrutar,esse Delírio
Feliz que nos Afasta todas
as Inquietações,que nos
Atormenta nessa Vida
Moderna.
A Memoria já me não
Deve Todas as
Obrigações,por isso,de
vez em Quando Falha,nos
leva a deixar Sempre algo
para trás,Embora se
Afasta às Vezes dos
nossos Afazeres.
Quando isso Acontece,as
Coisas Mudam,o que era
Belo passa a ser Feio,ou
seja,Tristonho.
Dia desse ao Ir à Feira a
Mando da Mulher,fazer
Algumas Compras,ao
parar em frente a uma
Banca de Frutas,mas
Precisamente, de Laranja,
Lembrei-me que mandou-
me Comprar a dita Cuja.
Ao Escolher as Laranjas,
não foi possível deixar de
voltar no Tempo,Ainda
Criança,ficava Rezando
para chegar a Sexta Feira,
era na Sexta Feira que a
Mamãe Comprava as
Laranjas.
Na Sexta Feira os
Vendedores cohegava a
Tardezinha vinha do
Morro do Fogo,Barra,
Muchilana,Santarém,
Paramirim das Criolas
e Região.
Na ida para Apanhar
Água no Rego Mestre,a
Mamãe Aproveitava
para Comprar Laranjas.
Lembro-me Bem,os
Vendedores Colocava
os Animais no Curral e
na Manga do seu
Cazuza,depois colocava
 as Bruacas em Baixo
dos pés de Tamarindos da
Praça Santo Antônio,
Eles Ascendia a Fogueira
para fazer o Café.
Os Fregueses chagavam
e Escolhia as Laranjas,
nas Bruacas,as Laranjas
Flor do seu Colodim,era
as Melhores,as Mais
Doce.
Depois da Compra das
Laranjas,todos de volta
para Casa com a Água e
as Laranjas,já pensando
na Próxima Sexta Feira,
não Poderia Imaginar que
Divertimento,que Prazer
tudo isso nos
Proporcionava.
Dado que,diante de tudo
isso,só nos Resta é
Relembrar dessas coisas
Boas que já nos
Aconteceu,tudo isso nos
trás um Certo Alento a já
tão Conturbada Alma....


Raimundo Sucupira



domingo, 8 de julho de 2018

FLORADA

No Talho do
Café,
a Alvura.
Que Beleza
que é,
em meio a
Formosura.
Em meio a
Florada,
nada em
Demasia.
A Roça Bem
formada,
é motivo de
Alegria.
Este é o
Desejo,
de todo
Trabalhador.
De todo
Sertanejo,
que Planta
com Amor.
Essa é a
Saga,
de todo
Lavrador.
Espera pela
Paga,
de tudo que
plantou.

Raimundo Sucupira

 
Contador de Visitas Para Blogs